T76 - Outubro 22
Dois cafés & a conta

T

Antecipar a indústria da moda
Os desejos (wonder) podem-se tornar realidade a partir de peças em estado cru (raw) guardadas em armazém
A empresa WonderRaw
Começou por investir 6,5 milhões para poder concretizar os desejos e ambições de muitos jovens criadores
WonderRaw: a indústria virada do avesso

“Vender e depois produzir é o caminho para a indústria, que vai ter que se adaptar”

L
L

uís Oliveira nem costuma recorrer ao restaurante para almoçar, mas, afinal, iria conhecer um que até lhe pode ser útil para as conversas com os clientes da WonderRaw. Com um percurso que o fez passar por estruturas como a Adalberto e os italianos da Mascioni, estava agora sossegado na atividade de consultorias – têxteis, claro! -, quando esbarrou com o futuro da indústria da moda.

Ou seja, foi desafiado para encabeçar o projeto que quer antecipar aquilo em que se vai tornar a indústria da moda. “Vender e depois produzir é o caminho para a indústria, que vai ter que se adaptar”, sintetiza para introduzir a explicação sobre o que é a empresa que começou por investir 6,5 milhões para poder concretizar os desejos e ambições de muitos jovens criadores, artistas, influenciadores o pequenas marcas do digital que querem lançar as suas coleções. 

E é isso mesmo que explica até o nome adotado para a empresa, já que esses desejos (wonder) se podem tornar realidade a partir de peças em estado cru (raw) guardadas em armazém. “A vantagem é que os clientes não precisam de investir nem de saber nada sobre têxteis e maquinaria para produzir as suas coleções. Tratamos de tudo, temos uma base de t-shirts, sweats, woodies, calças e calções em malhas de alta qualidade, que podem acabar e personalizar de acordo o próprio conceito de marca, com as suas ideias e estilos”, explica. 

Além do fabrico e acabamento, é também feita a embalagem e expedição, pelo que os criadores não precisam de se preocupar com a vertente prática do negócio, que é em regra a parte mais difícil no lançamento de pequenas marcas.

Outra das características é que tudo nasce vocacionado para facilitar o impulso digital e assente nos princípios de sustentabilidade. “Onde vimos que podíamos fazer a diferença foi na estamparia. Temos máquinas com tecnologia single step, que prescinde de pré e pós tratamento, o que representa um consumo de água quase nulo e poupança de energia correspondente a esses processos, e trabalham com tintas eco-friendly com todas as certificações”, explica Luís Oliveira. 

Já na vertente digital, todo o processo assenta em tecnologia 3D, que não só evita – e poupa – na produção de amostras, como permite às marcas e criadores usarem nos seus sites os modelos Mockup.  

No fundo, o que se pretende é que a WonderRaw represente a democratização do acesso à produção de coleções próprias para muitos jovens criadores ou marcas online. Uma resposta para um mercado que é uma realidade crescente. “já temos muitos contactos, na grande maioria da Europa, e uma meia dúzia de projetos em desenvolvimento”, avança o líder do projeto que aponta nesta fase de arranque para uma produção de 800 mil a um milhão de peças anuais. 

Para isso, a par do investimento de 6,5 milhões para equipar as instalações no Càvado Park, em Manhente, Barcelos, foi criada também uma equipa de 10 pessoas, todas com vasta experiência e know-how, para apoiar ao desenvolvimento dos novos projetos. 

O objetivo é que a produção corresponda a encomendas concretas e que em duas a três semanas o cliente esteja já na posse das coleções. Ou seja, vender e depois produzir é o caminho para a indústria e Luís Oliveira uma via onde já pôs a rolar a WonderRaw.

Perfil

Luís Oliveira
47 anos
CEO da WonderRaw
Viajar no futuro não estava nas cogitações, mas o homem que depois de passagem por peso-pesados como a Adalberto ou a italiana Mascione navegava agora no sossego de múltiplas consultorias encarou o desafio. Licenciado em Relações Internacionais e Economia (UMinho), com mestrado em Gestão Comercial (FEP), até começou pela banca (não gostou) para depois saltar para a indústria do calçado antes de assentar arraiais na têxtil. Focado nos têxteis técnicos, mercado digital e e-commerce shop, encontra também algum tempo para o ténis e a natação, as suas paixões secundárias. A principal é a família, focada no Mário, que aos 11 anos gosta de piano e é um agarrado ao digital.

RESTAURANTE
Restaurante Maria de Medros

Av. São João 267

4755-064 Barcelinhos

Entrada Sopa de legumes Prato principal Fígado de cebolada e vitela estufada Sobremesa Folhado de chila com amêndoa Bebidas Água do Fastio, Quinta do Infantado, tinto do Douro e dois cafés.  

Partilhar