T75 – Aprender com as dificuldades é a gramática da Riopele

Desde o século XIX que o Vale do Ave se transformou num território de grande densidade fabril nos segmentos da fiação e da tecelagem. Aliás, a têxtil algodoeira tornou-se uma atividade dinamizadora da região, com um grande impacto sobre toda a vida económica e social da sua sociedade. Localidades como Pedome, Riba d’Ave, Delães, Ronfe e Pevidém eram freguesias com diversas unidades fabris e um importante volume de trabalho fabril. No que diz respeito ao algodão, segundo o inquérito de 1890, o seu protagonismo era tal, que estava instalado nas freguesias com tradição de tecelagem.

LER MAIS
T74 - julho/agosto 22

T74 – “A flexibilidade e sermos verticais são os nosso trunfos”

Ser vertical, ou seja fazer a laminagem, o sourcing do tecido e a confeção do produto final, é a grande mais-valia da Lineartex/Dehora que tem uma história para contar muito diferente das que estamos habituados a ouvir.

LER MAIS
T71 - Março/Abril 2022

T71 – O desejo de ser único virou marca

Pode-se dizer que a paixão pelo streetwear veio dos tempos em que, ainda adolescente, se dedicava á prática do skate, mas o salto para a confeção de roupa deu-se já no liceu, e foi motivado pelo drama de qualquer adolescente: a vontade de se expressar e dessa forma ter o próprio dinheiro, sem ter de o pedir aos pais.

LER MAIS
T70 - Fevereiro 2022

T70 – O truque da JOF é estar no campo do inimigo

É uma espécie de trio maravilha que faz com que a JOF role sobre esferas, mas que tem tanto de eficácia como de improvável.

LER MAIS