T87 - Outubro 23
Empresa

T87 – A resiliência como chave do sucesso

O resultado está à vista: ao longo das duas décadas de existência, a Pinha Mansa conquistou um lugar de destaque no mercado têxtil nacional e internacional.

T

Há precisamente 21 anos, nasceu em solo português uma empresa com uma visão arrojada e uma tenacidade inesgotável: a Pinha Mansa. Por detrás deste cenário está Paulo Ferreira, que embora fosse jovem, não lhe faltou vontade, contra tudo e todas as dificuldades, para dar vida ao seu próprio negócio.

E o resultado está à vista: ao longo das duas décadas de existência, a Pinha Mansa conquistou um lugar de destaque no mercado têxtil nacional e internacional. “Nunca pensei, quando tive a intenção de começar este projeto, que a empresa chegasse onde está hoje”, refletiu Paulo Ferreira. Foram as parcerias fortalecidas ao longo destes anos, mas principalmente os desafios superados nos negócios que explicam esse lugar. “Eu gosto de desafios, de dificuldades e de combater. E o meu objetivo foi que lentamente a empresa fosse crescendo nesse sentido”, referiu. Exemplo disso foi o primeiro grande negócio que a empresa fechou: 80 mil calças. “Foi a partir daí a verdadeira cambalhota da Pinha Mansa, pois percebemos do que somos capazes”, explicou.

Com uma carteira de clientes que se estende por toda a Europa – consequentemente cerca de 90% da sua produção têm como destino a exportação – a empresa que produz entre as 700 e as mil peças ao dia, fechou o ano de 2022 com uma faturação próxima dos três milhões de euros. Para este ano a história já não é a mesma: a ambição de crescer foi adiada pela atual conjuntura económica, mas Paulo Ferreira não cruzou os braços e viu nesta crise uma oportunidade para investir. “Tivemos a nossa estreia em feiras, que já era uma estratégia antiga da empresa, que se adiou. A nossa estreia foi no MODTISSIMO e já estamos a trabalhar alguns contactos interessantes que angariámos no certame”.

Além disso, houve a preocupação com algo que já incomodava há muito e que por sua vez era uma barreira para a empresa evoluir. “Ao longo destes anos, o nosso maior desafio foi as condições em que trabalhávamos. Não nos sentíamos confortáveis em apresentar alguns projetos que tínhamos, e achávamos que iam duvidar do nosso trabalho, pela imagem que a empresa tinha. Agora, com as novas instalações, é o momento de usarmos estes trunfos guardados, e irmos para cima do mercado”, afirmou o CEO da empresa.

Outro exemplo foi com a pandemia: ao contrário do esperado, a empresa não se deixou vencer e ainda cresceu. “Nessa altura, tínhamos duas linhas de produção. E devido às circunstâncias do momento, olhámos para a forma como estávamos a produzir e percebemos que só com uma linha éramos mais produtivos e competentes”, confirmou Paulo Ferreira.

O que também importa para a Pinha Mansa é investir em qualidade e sustentabilidade ambiental. Sendo um apaixonado pela natureza, o próximo objetivo é serem auto-sustentáveis. E por isso o investimento em painéis fotovoltaicos também fez parte das aplicações da empresa.

Os planos e ambições para o futuro da Pinha Mansa são grandes e um deles é continuar a procurar inovação e tecnologia de ponta para aprimorar processos e consequentemente o produto final. “Decidimos desafiar uma equipa de informática, que desenvolveu um software para a Pinha Mansa”, contou o CEO, que admitiu que “é uma mais valia, pois além de termos os preços controlados, também passámos a ser mais credíveis para os nossos clientes. Para 2024 a ideia vai passar por os nossos clientes receberam um link onde vão puder seguir o estado da sua encomenda sem ter que comunicar com a empresa”. “Agora estamos no declívio, mas acho que vamos começar a trepar outra vez o monte, para subir por aí acima”, concluiu.

A Empresa

Pinha Mansa
R. do Passal 46
4495-386 Beiriz

O que faz? É uma empresa têxtil vocacionada para a confeção de vestuário exterior Área produtiva: Três mil m2 Colaboradores: 94 Início de atividade: 2002 Exportações: 90%

Partilhar