T59 - Dezembro 2020
Dois cafés & a conta

T

Nunca desistir
“Nunca abrandamos nem recorremos ao lay-off. Alguns clientes pararam as encomendas e agora estão aflitos com as entregas”
A ideia disruptiva
Há 4 anos, na New York Market Week, a BeStitch apresentou pijamas e robes em coordenados com as roupas de cama
T59 – Ana Fernandes

Nascida e criada no meio dos trapos, Ana Fernandes chegou à BeStitch em 2015, desviada daquele que pensava ser o seu percurso de futuro: a educação física

O
O

estilo assertivo e determinado de Ana Fernandes pode bem resumir-se na forma como antecipou o parto que lhe trouxe a Matilde, a filha mais nova. Vitoriana e Nicolina, como todos os filhos de Guimarães, diz que só por três vezes falhou a Noite do Pinheiro, uma delas em convalescença do parto que fez acontecer uma semana antes da data prevista de 29 de Novembro: “Não podia ser! Não podia passar ter todos os anos com um aniversário em casa na Noite do Pinheiro.”

Nascida e criada no meio dos trapos – “o meu pai tinha uma empresa de malhas” -, Ana sempre teve o gosto pela moda, estética e criação, mas era pelo voleibol que mais forte pulsava o coração. Queria fazer Educação Física e chegou a pedir pai par a lhe montar depois um ginásio, mas teve que mudar a agulha por causa das muitas entorses no tornozelo esquerdo.

Mas quando um caminho se fecha novos horizontes se abrem. Foi com a ideia de ajudar o pai que acabou por entrar em Economia, curso que a cruzou nos bancos da faculdade com o agora marido, o CEO da BeStitch, Rui Machado.

Para chegar à empresa, no entanto, a culpa foi do cunhado, Alberto, também sócio e fundador, com a responsabilidade da área comercial e de compras. Mesmo com o torcer de nariz de Rui – “resistia a misturar a empresa com a vida familiar” – o cunhado convenceu-a a aceitar o desafio de avançar com uma área de criação e desenvolvimento de produto na BeStitch. E é a partir daí tudo tem evoluído a ritmo quase alucinante.

“Parece que foi ontem mas já estou a fazer o quinto postal de Natal”, constata a responsável pelo Desenvolvimento, Criação e Imagem da empresa que nasceu em 2003 e não tem parado de crescer: Nestes 18 anos passou de 10 para 250 trabalhadores; de dois para os cerca de 30 milhões que esperam facturar este ano, 100% em exportação; da confecção inicial para uma estrutura verticalizada a funcionar em cinco polos. “Sempre com investimento próprio, até agora tem sido tudo investido no crescimento da empresa”, frisa Ana Fernandes.

Um ritmo que se acentuou de forma particular nestes últimos cinco anos. “Foi com a entrada no mercado dos Estado Unidos e foi para isso que foi criada a área de Desenvolvimento, criação e imagem, era essa a estratégia”, explica Ana que associa também a esse passo gigante “a contratação de dois ‘tubarões’”.

Um é o agente que têm nos EUA – “fomos buscar o melhor do mercado” – e o outro o designer António Vieira, arquitecto, que pôs como condição ir buscar à Kyaia, fábrica de calçado, onde desenvolveu a imagem da Fly London. “Foi porque não era do sector, se estivesse no têxtil não o desafiava”, diz Ana Fernandes, que faz questão de destacar também “a Elsa, a modelista e costureira”.

Além da equipa, “o linho foi crucial”. Representa já mais de 80% da produção da BeStitch, o resto é 100% algodão, percal e cetim, e flanelas, mas a ousadia e inovação fazem também parte do pacote do fulgurante sucesso. “A grande novidade foi há quatro anos na New York Market Week de março, quando a BeStitch apresentou pijamas e robes em coordenados com as roupas de cama. Tudo em linho, uma ideia disruptiva que teve enorme impacto”, diz a mulher que não esconde a paixão pelo linho em que assenta a actividade da empresa. Tanto impacto que nestes cinco anos os EUA já representam praticamente metade da facturação da empresa, que tem também na França en os países nórdicos cos outros destinos mais importantes.

Uma escalada americana que tem sido progressão geométrica já que a BeStitch tem crescido também em todos os mercados e sempre a um ritmo acima dos 10%. Tal como vai acontecer este ano, apesar da pandemia: “Nunca abrandamos nem recorremos ao lay-off. Entre março e maio alguns clientes pararam as encomendas e agora estão aflitos com as entregas”, remata a mulher que está no têxtil por culpa do cunhado.

Perfil

O calendário diz que entrou nos fifties a 17 de maio, mas como confinamento só terminou no dia seguinte diz que vai fazer bis em 2021 para poder festejar como deve ser. Desporto e o volei sempre foram a grande paixão, mas as lesões no tornozelo empurraram-na para Economia. A ideia era ajudar as contas do pai na sua fábrica de malhas, mas acabou por descobrir a paixão do linho depois de se ter cruzado nos bancos da faculdade com o CEO da BeStitch, Rui Machado. Têm três filhos: Carolina, 18 anos, estuda design na ESAD; Guilherme, 16 anos, já sabe que o rumo é Economia; e a Matilde, aos 11, ainda anda a tatear do futuro. Como ela, são todos apaixonados pelo Vitória de Guimarães (onde vivem), nas nenhum tão Nicolino quanto ela, que só por três vezes e por força maior perdeu a Noite do Pinheiro.

RESTAURANTE
Pirâmide do Egito
Rua da Estação
4815-277 Moreira de Cónegos

Entradas Salmão fumado, carpacio de polvo e estufado de cogumelos Prato Rabo de boi estufado com ervilhas Sobremesa Fatia de bolo Bebidas Vinho tinto do Douro, Manuel Correia Reserva, água e dois cafés.

Partilhar